Nova diretoria toma posse na Associação Comercial e Empresarial de Matelândia no dia 16

nova-diretoria-acima

A nova diretoria toma posse na Associação Comercial e Empresarial de Matelândia (Acima) no próximo dia 16, no Matelândia Country Clube, às 19h30. O presidente Carlos Alexandre Franco é empresário do ramo farmacêutico e está no associativismo há 7 anos. Antes de ser eleito, foi vice-presidente e conselheiro fiscal na entidade.

Segundo Franco, o maior desafio de sua gestão será a criação do Conselho de Desenvolvimento Social de Matelândia. O grupo será formado por representantes de várias setores da cidade terá o objetivo de planejar o município em todas as áreas. “Queremos unir forças para traçar as diretrizes de Matelândia para os próximos anos, propondo projetos para auxiliar a administração pública”, afirma o novo presidente.

A nova diretoria, de acordo com Carlos Franco, também pretende dar continuidade a algumas ações. Duas delas são o Desfile de Natal, que reuniu 3 mil pessoas no último evento, e a oferta de palestras, treinamentos, cursos e serviços para os associados.

acima-presidentes

Carlos Alexandre Franco e Nilso Roecker

Já o empresário Nilso Roecker deixa a associação comercial depois de dois anos e quatro meses à frente da entidade. Empresário do ramo de industrial, está no associativismo desde 2012. Antes de assumir a presidência, foi diretor da indústria e vice-presidente da Acima. Em sua gestão, ele afirma que a associação cresceu financeiramente 210%, com a implantação de serviços como o COB online e Nota Fiscal Eletrônica.

Outra ação que Roecker destaca é a criação de núcleos setoriais para atender o Projeto de Organização dos Avicultores, Suinocultores e Produtores de Leite de Matelândia e mais cinco municípios vizinhos. “O resultado tem sido positivo. Os produtores estão se associando. Para se ter uma ideia, temos hoje três diretores da entidade que saíram desses núcleos”, conta o empresário.

Também em sua gestão, a ACIMA realizou a Expo Matelândia 2015, em parceria com a prefeitura.

Para Nilso Roecker, a sensação ao final do mandato é de dever cumprido. “Gostaria de ter feito muito mais, mas dentro da capacidade que tivemos, fizemos um bom trabalho. Estou muito satisfeito”.