Cascavel é pioneira em sistema que pode revolucionar a polícia

videopolicia

Cascavel é a base de um projeto-piloto que poderá transformar a realidade das delegacias e da captação de informações em depoimentos de prisões em flagrantes em todo o Brasil. O sistema foi apresentado em primeira mão a empresários e a líderes de setores organizados na noite de quinta-feira na Sala Paraná, na Acic. O delegado da 15ª Subdivisão da Polícia Civil, Adriano Chohffi, falou e fez uma demonstração de um sistema de videoconferência que já traz mudanças no cotidiano de unidades integradas à regional.

O equipamento, importado, permite a otimização dos poucos recursos das polícias, principalmente de escrivães e delegados. As vantagens do sistema são inúmeras, de acordo com Adriano. Possibilita ouvir alguém que foi preso em flagrante sem a necessidade de longos, demorados e caros deslocamentos. O mecanismo permite a transmissão ao vivo e a coleta das informações necessárias. Todos os depoimentos são gravados e armazenados. A transparência é uma das mais importantes características das videoconferências, mas não a única.

O delegado Adriano informa que, diferente de ouvir, escrever e enviar um papel por escrito para o juiz, que poderá conter distorções mesmo que involuntárias, ele terá acesso aos depoimentos gravados. Assim, terá em mãos o conteúdo integral, sem cortes ou edições. Será possível também perceber o ambiente em que a coleta das informações ocorreu e o tratamento dispensado à pessoa. Mesmo piloto em Cascavel e em fase de testes e ajustes, é possível perceber que essa é uma tendência sem volta por vários motivos, conforme o delegado. “Dá celeridade, reduz custos e garante mais precisão e qualidade aos trabalhos”.

Reuniões

A videoconferência também será empregada em audiências de presos, evitando deslocamentos e escoltas que exigem grande número de policiais e viaturas. Esse aparato, além de caro e pouco prático, apresenta riscos, como em situações de tentativa de resgate do preso por comparsas. A tecnologia permitirá a integração gradual das forças policiais, a partir das respectivas comarcas, e então em algum momento possibilitará até a interligação com o judiciário, dando agilidade aos encaminhamentos e aos processos.

O recurso já começa a ser empregado e com êxito também, a exemplo do que ocorre em outros órgãos públicos brasileiros, em reuniões de trabalho entre diretores e chefias da polícia. É muito mais fácil reunir as pessoas com horários marcados em seus próprios ambientes de trabalho do que fazer com que todos bloqueiem a agenda em um determinado dia e se desloquem para um único endereço para uma reunião. Haverá economia substancial de recursos, que poderão ser canalizados, entre outros, à melhoria de equipamentos e de departamentos de investigação e inteligência.

Fora do horário

A tecnologia da videoconferência dará suporte, inicialmente, a horários de plantão e quando o delegado não puder estar presente para tomar depoimentos. A novidade em ajustes na 15ª SDP de Cascavel desperta a atenção de tribunais de justiça do Brasil inteiro. “Muitos estão nos procurando para audiências com presos daqui”, afirma o delegado Adriano Chohffi. O Paraná tem outro trunfo para fazer com que o sistema seja rapidamente disseminado, o suporte da Celepar.

A Companhia de Tecnologia da Informação e da Comunicação do Governo do Paraná conta com recurso que garante a conexão de várias unidades de videoconferência ao mesmo tempo. O presidente da Acic, Alci Rotta Júnior, elogiou a iniciativa de Adriano e da equipe da 15ª em colocar Cascavel na vanguarda no uso de ferramenta que provocará mudanças nos trabalhos das forças policiais do País. “É a tecnologia a serviço da segurança pública, da transparência e do desenvolvimento. Nós, empresários, sempre daremos apoio a projetos como esse”, garantiu Alci.

Fonte: assessoria de imprensa ACIC